Quem Somos?


É mais fácil explicar o que nos une do que dizer quem somos. Viajar e descobrir novos recantos é o elo de ligação da equipa que dá corpo ao projecto da Magellan Route.

De uma conversa com um viajante tarimbado surgiu a ideia e o sonho. De amizades com 20 anos vieram os primeiros elementos da equipa e, de uma caminhada sob o sol mordaz de Petra, os últimos. Vivemos entre Gotemburgo e Lisboa e o Skype é o nosso melhor amigo.

Zélia, Tiago, Cristina, Nuno e Luis. Cinco portugueses que tentam perceber como funciona o mundo das viagens para lá do óbvio e comum.

A nós juntaram-se outros viajantes, espalhados pelo mundo, com a missão de mostrar a sua zona a quem os quer visitar.

O Paulo na Irlanda, a Vera na Bélgica, a Ana no Azerbaijão, a Valentina na Croácia, a Sónia em São Miguel, a Tânia na Madeira, a Veronika na Hungria, a Eunice na Alemanha, o Ayman na Jordânia, o Trong Bui no Vietname, a Catarina na Suécia e a Anilda em Cabo Verde. A estes destinos realizados por quem lá vive, acrescentamos a República Checa, Israel, Palestina, Espanha, Itália, Irão, Tibete, EUA, Islândia, Macedónia, Kosovo, Índia, Rússia e Mongólia, na companhia de um dos elementos que está em Lisboa ou Gotemburgo.

Juntos e com todos os que quiserem participar nesta aventura, perseguimos um só objectivo: tornar o mundo mais pequeno.

 


Como?


Este projeto tem como missão criar um conjunto de viagens de índole cultural e/ou activo, com custos reduzidos e experiências locais. Para isso contamos com uma rede de portugueses que, espalhados pelo mundo, aceitaram o desafio de mostrar o que de melhor oferece a sua nova zona de conforto. É a hipótese de ver o que não aparece nos livros, conhecer novos destinos, pessoas e realidades. E é temperar tudo isso com a companhia de tantos outros que, como nós, resolveram abrir a janela e descobrir o que a vista não alcançava. As nossas viagens são organizadas de forma particular, como fazíamos antes de existir a Magellan Route e, para cada destino, abrimos um número limitado de lugares por uma questão de logística. Escrevemos os programas, estabelecemos os contactos, organizamos as estadias e procuramos sempre fazê-lo com baixo custo, sem perder a qualidade. Não temos qualquer responsabilidade civil sobre cada viajante. Os preços refletem aquilo que pagamos em cada destino e são os mesmos para quem nos quiser acompanhar. Todas as reservas podem ser feitas de forma individual ou por nós, se assim o entenderem.

Agora que as regras estão claras, é tempo de fazer a mochila!

Porquê?


Ficaram famosas as palavras de um governante português quando, em plena crise, considerou natural que as pessoas saíssem da sua zona de conforto.

Foi mais ou menos isso que fizemos. Saímos da zona de conforto e aproveitámos para descobrir um pouco do planeta que nos abraça. A curiosidade não se resolveu e o desejo de conhecer também não. Daí a fazer da mochila o fiel amigo foi um salto.

As estatísticas mostravam a crua realidade do número de portugueses que, anualmente, procuravam novas paragens. Não estávamos sós. O passo seguinte foi a consequência lógica de tudo isto.

A Magellan Route surgiu, inspirada no maior dos nossos exploradores, Fernão de Magalhães, como uma tentativa de criar uma rede que unisse os vários destinos de acolhimento de portugueses desta nova vaga de emigração no séc. XXI. Tornar as viagens mais simples, baratas e informais, partilhando a experiência de quem fala a nossa língua e conhece o destino a visitar.